Dona Maria me ensinou - trecho


Dona Maria me ensinou
Em um ditado antigo

Qual deveria ser a minha conduta

“Permanecer como ela de pé

Mantendo os meus ideais

Atento, a todo o momento, aos sinais

De fraqueza de minha fé resoluta

Naquilo que acredito

Por maior que fosse o inimigo

Só quem vence a batalha diária

A glória desfruta”.





Minha poesia é esparsa

Minha poesia é esparsa
Um pouco confusa e diversa
E se este poeta conversa,
Sem nenhuma farsa,
Quando se contesta
Que ela se faça intrusa
E deixe de ser tão modesta.
Neste caso, não me resta
Saber quem dela se abusa
Mas que sirva somente a musa
Dizer-me se a ela ao menos presta



Sinopse: "São vãos os versos sãos?" será o meu segundo livro e terá como foco central a discussão do fazer poético na busca de uma resposta para o que sugere desde a capa, tratar não apenas sobre o questionamento de por que e para quem fazemos poesias, bem como, sobre a sanidade de quem as faz e quem as lê, sobretudo expor textos novos, ou recriar novas maneiras de apresentá-los.





Se a rosa em ti faz complemento

.
Se a rosa em ti faz complemento
Que não sejam todos os espinhos
Que, por ventura, surjam no caminho
Apenas trazer-te algum sofrimento
Eles vêm a te dar força e ensinamento
Que com eles você sempre aprenda
Não deixe no peito nascer contenda
Só nos é dado o fardo que se suporta
E de um futuro melhor jamais morta
Esteja a esperança de uma vida bela
Pois tu tem a sábia e bendita prova
Quando se fecha para nós uma porta
Há também de se abrir várias janelas

.





Uma publicação partilhada por Fernandes Oliveira (@poetafernandes) a

Não curti


"Não curti

.
.
Sim, não curti o último post
nem foste tu que o fizeste
parece que a poesia
que tu me deste
nem fora posta em prática
o que fizeste mais parecia
uma de tuas ardis táticas
de atrair para ti a atenção
se são versos feitos em vão
será que quem os faz é são?
Ou então,
pra onde foram os versos sãos
se teu jogo de rimas
só me excita e me alucina
e eu crente em ser a menina
ao teu encontro caminho descalça
e me encanto com teu conto e canto
e tua promessa um tanto quanto falsa
e esqueço que foi nos espinhos
que me acostumei a dançar valsa





. . "Não curti . . Sim, não curti o último post nem foste tu que o fizeste parece que a poesia que tu me deste nem fora posta em prática o que fizeste mais parecia uma de tuas ardis táticas de atrair para ti a atenção se são versos feitos em vão será que quem os faz é são? Ou então, pra onde foram os versos sãos se teu jogo de rimas só me excita e me alucina e eu crente em ser a menina ao teu encontro caminho descalça e me encanto com teu conto e canto e tua promessa um tanto quanto falsa e esqueço que foi nos espinhos que me acostumei a dançar valsa . . #nopainnogain #espinhos #dor #sofrimento #sãovaososversos #musas #ela #minhaspegadasnaareia #amopg #poesia #poeta #minhavida #poetafernandes #razao #poeta #poesia #love #amor #cuidademim #suave #poem #poema #poetafernandes #praiagrande #pg #valor #preço #saudade #saudades #lembranças #poesiadodia #frases #frasedodia
Uma publicação partilhada por Fernandes Oliveira (@poetafernandes) a

NADA MAIS

Um texto um tanto triste pensando numa situação hipotética, mas tão presente em nossos dias
.
NADA MAIS

Não era deste jeito
Que eu imaginava o fim,
Mas soube desde o começo
Que haveria um dia
Em que tu falarias:
Não posso
Não quero
Já não mais gosto
De ser tão sincero
Algo mais sempre espero
E você sabe que não tem
Adeus e nada mais
Mas me perdoe meu bem
Tudo é muito pouco 
Para quem tem mais do que precisa
Por mais que eu esteja envolto
Mais me sinto só nesta vida
Sem você
Não há alegrias e dias de festa
Não há porquê
Seguir esta vida
Quando por mim ninguém se interessa.
.
. FERNANDES OLIVEIRA






Uma publicação partilhada por Fernandes Oliveira (@poetafernandes) a

Hoje não faço despedidas - trecho



Hoje não faço despedidas
E mantenho o coração aberto

Pois em minha vida
Só fiz aquilo que julguei ser correto
Tentei, por vezes, ser o mais sincero
No entanto, os confundi com palavras
De sentidos desconexos
E hoje para quem nada soube ler
Nas entrelinhas
Minhas máximas eu sorrio
E sou rio em um mar de lágrimas.

trecho da poesia a Palavra Pede Passagem






Nesta rima...


Nesta rima...




E nesta rima um tanto confusa

Que você ao ler este poeta

Se reconheça nas linhas

Nas quais você foi a minha

Sempre presente e discreta

Dama, dona e rainha

Dos meus versos a musa



Se hoje eu pedisse que tu viesses


.

Se hoje eu pedisse que tu viesses 
E que teu carinho me desses
E se um dia qual orador em prece
Te encontrasse em meu caminho
E tu quisesses fincar o espinho
Olhasses em mim e me dissesses: 
_Fiques sozinho,
Pois é só o que tu mereces. 
Eu haveria de dizer: _Se aqui viestes
E se a falar comigo se preste
É porque conta do recado não destes
Vai te embora! E vê se me esquece.
.